“A predestinação para a Vida é o eterno propósito de Deus, pelo qual (antes de lançados os fundamentos do mundo) tem constantemente decretado por seu conselho a nós oculto, livrar da maldição e condenação os que elegeu em Cristo dentre o gênero humano, e conduzi-los por Cristo à salvação eterna, como vasos feitos para honra. Por isso os que dotados de tão excelente benefício de Deus são chamados segundo o propósito de Deus, por seu Espírito operando no tempo devido; pela graça obedecem a vocação, são feitos filhos de Deus por adoção; são criados conforme a imagem de seu Unigênito Filho Jesus Cristo; vivem religiosamente em boas obras, e enfim, pela misericórdia de Deus, à felicidade eterna.

      Assim como a pia condenação da predestinação, e da nossa Eleição em Cristo, é cheia de um doce, suave e inexplicável conforto para as pessoas devotar, e os que sentem em si mesmos a operação do Espírito de Cristo, mortificando as obras da carne, e os seus membros terrenos, e elevando o seu pensamento às coisas altas e celestiais, não só porque muito estabelece e confirma a sua fé na salvação eterna que hão de gozar por meio de Cristo, mas por que de modo veemente acende o seu amor para com Deus; assim para as pessoas curiosas e carnais, destituídas do Espírito de Cristo, o ter de contínuo diante dos seus olhos a sentença da predestinação de Deus é um princípio muitíssimo perigoso, por onde o Diabo as arrasta ao desespero ou a que vivam na iniquidade dos seres mais impuros, de maneira não menos perigosa que o desespero.

      Além disso, devemos receber as promessas de Deus do modo que nos são geralmente propostas nas Escrituras Sagradas e seguir em nossas obras a Vontade de Deus, que nos é expressamente declarada na sua Palavra”.

ARTIGOS DA RELIGIÃO CRISTà(TRINTA E NOVE ARTIGOS)
(1571: Igreja Anglicana)