Estudiosos deduzem, a partir de análises das cartas de Paulo, especialmente as destinadas à Igreja de Corinto, que no primeiro século, havia pelo menos duas formas de culto: um público e outro restrito.
No primeiro, a comunidade cristã, segundo a direção do Espírito Santo, fazia orações, ministrava ensinos, cantava Salmos (mais tarde surgiram os hinos cristãos), lia e explicava as Escrituras do Antigo Testamento (e, posteriormente, incluíram as cartas dos apóstolos), citava atos e ensinos do Mestre, o entusiasmo tinha livre expressão (até resultava em certa desordem). Nessas reuniões era admitido pessoas estranhas, isto é, que ainda não haviam se tornado cristãs; elas, comumente, quando tocadas pelo Espírito Santo, confessavam os pecados e entregavam a vida a Jesus Cristo.
No segundo, acontecia uma refeição comum, repleta de júbilo e amor; era permitida a participação apenas dos súditos de Cristo. Cada um, segundo os recursos de que dispunha, trazia a sua parte da alimentação que era generosa e alegremente repartida entre todos igualmente; na mesma ocasião, ainda celebrava-se a Ceia do Senhor.
Outra prática comum nos cultos primitivos era o levantamento de ofertas para o sustento da obra missionária e beneficência (1 Co 16:2). Porém, tudo era feito com simplicidade, decência e ordem!
Que diferença do ofertório pós-moderno!
Nada parecia deter a Igreja. De um lado os apóstolos faziam milagres e maravilhas, impactando a população. Do outro, o grupo convertido a Cristo, logo era integrado à comunidade cristã, já repleta de multidões de fiéis; ela estava cheia de temor, coesa, unida; repartia suas posses, vendia propriedades e bens para dividir o dinheiro conforme a necessidade de cada um. Lucas diz que em certa época nenhum carente havia na Igreja, pois os que possuíam terras e casas, vendendo-as, traziam os valores correspondentes e depositavam aos pés dos apóstolos; então, se distribuía a quem tinha necessidade (At 4:34, 35).


Por: José Roberto de Oliveira Chagas
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir, distribuir ou divulgar este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério, e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.