A  Assembleia Geral Ordinária da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), realizada entre 15 e 19 de janeiro de 2001 em Brasília, decidiu não aceitar pastoras. Mais de dez anos depois, em outubro de 2011, a Convenção das Assembleias de Deus no Distrito Federal (CEADDIF), durante Assembleia Geral Ordinária aprovou a ordenação de pastoras. A proposta foi aprovada, depois de muito debate, por 70% da assembleia composta com 1,5 mil correligionários. O texto abaixo foi enviado dias depois à um dos organizadores da Assembleia Geral Ordinária, numa tentativa de levá-los às Escrituras em relação ao assunto. Repudiamos a decisão aprovada, tendo em vista que não respeita a autoridade das Escrituras, simples e unicamente por isso.

Por: Maique Borges e Samuel Magalhães


Pastor Wilson, primeiramente a paz do Senhor, confesso que fiquei um tanto surpreso diante de tais relatos que, por ser escrito por um mestre e servo de Deus, deveria ser fiel e seguir os padrões de interpretação bíblica e ortodoxa. Junto com o diácono Maique da minha congregação, iremos trazer e mostrar bases bíblicas que proíbem expressamente a ordenação de mulheres queremos salientar que não temos nada contra o senhor como pessoa, mas nosso problema é contra as heresias que tens pregado. Vsª Rev. Mo disse:

 “… o irmão está usando uma autoridade que não tem.” 


Nós acreditamos Pastor que temos direito e dever de chamar ao arrependimento alguém que se apartou da verdade, por que assim a Bíblia nos permite, e movidos pela vontade de glorificar a Deus, mostraremos ao senhor que aquilo que você defende não tem coerência nenhuma com as Escrituras. 


“Meus irmãos, se algum de vocês se desviarem da Verdade e alguém o trouxer de volta, lembre-se disso: quem, converte um pecador do erro do seu caminho salvará a vida dessa pessoa e fará que muitíssimos pecados sejam perdoados”. (Tg 5. 19, 20).

I- Considerações iniciais
Segundo suas palavras, não encontraremos nenhuma referência que condene a ordenação feminina. Eu e o diácono Maique, e todos aqueles que escolhem ser fieis a Palavra de Deus, discordamos de tal afirmação, pois o senhor deve ter se esquecido de alguns textos, queremos lembrá-lo:

1 Tm 2. 11-15: “A mulher deve aprender em silêncio, com toda a sujeição. Não permito que a mulher ensine, nem que tenha autoridade sobre o homem. Esteja, porém, em silêncio. Porque primeiro foi formado Adão, e depois Eva. E Adão não foi enganado, mas sim a mulher que, tendo sido enganada, tornou-se transgressora. Entretanto, a mulher será salva dando a luz filhos – se elas permanecerem na fé, no amor e na santidade com bom senso”.

Paulo fala aqui em um contexto sobre a Igreja reunida (vv. 8, 9). Em tal cenário, ele afirma:
 E não permito que a mulher ensine nem exerça autoridade sobre o homem (v.12), pois estas eram as funções dos presbíteros, (gr. episkopos) e Paulo aqui não permite mulher usurpar a autoridade dos presbíteros. E qual o motivo dessa proibição? (vv. 13, 14). Deus deu a liderança para o homem criando-o primeiro, é isso que Paulo inspirado pelo Espírito Santo tem em mente, olha o que o texto diz:

 “porque, primeiro foi formado Adão depois Eva”.


 E continuando a exposição paulina ele prossegue


 “e Adão não foi iludido, mas a mulher sendo enganada caiu em transgressão”.


Paulo aqui traz a segunda objeção que quando a mulher tomou a frente da liderança masculina houve uma inversão de papeis que por fim gerou a queda. (Gn cap. 3). Alguns querem dizer que Paulo não permitiu a mulher ser "presbítera" devido à falta de educação formal das mulheres naqueles dias, mas Paulo não as proíbe por falta de instrução, mas novamente aponta para a ordem da criação de Deus. (vv. 13, 14). E tem um detalhe que anula de uma vez esta argumentação desses liberais, a educação formal não era exigida da liderança da Igreja do N. T., pois vários apóstolos não tiveram instrução bíblica formal conforme nos apresenta Atos capítulo 4 verso 13. Outro detalhe, houve na história da Igreja Primitiva mulheres cultas como Priscila que ajudou até instruir Apolo com o seu marido Áquila (At 18. 26) mas, mesmo assim Paulo não permitia nenhuma mulher ensinar “não permito que a mulher ensine” na Igreja de Deus, por quê? 

Motivo de sempre versículos 13 e 14 a ordem da criação.

II- Passaremos a expor o segundo texto: 1 Cor 10. 33b-36.

“Como em todas as igrejas dos santos, conservem-se as mulheres caladas nas igrejas por que não lhe é permitido falar… porque para a mulher é vergonhoso falar na Igreja…”. 
As mulheres não podiam “falar” em “todas as igrejas dos santos”. “Falar” na igreja, ou seja, “ensinar” é atribuição de homem e de homem preparado – presbíteros. Paulo fala, é vergonhoso para a mulher falar (como presbítero) na igreja confirmando o que Paulo disse na exposição anterior que citamos “não permito que a mulher ensine”; (será que hoje não é mais vergonhoso?), ou seja Paulo aqui está preocupado em preservar a liderança masculina no ensino e governo da Igreja.

III- Vamos agora estudar os textos que falam sobre os presbíteros e suas qualificações: (1 Tm 3. 17 e Tt 1. 5-9).
Os textos pressupõem de maneira clara e incontestável que os presbíteros são homens “é preciso que o presbítero seja irrepreensível esposo de uma só mulher… 1 Tm cap. 3 e 2 e também Tt 1. 6 diz: homem irrepreensível esposo de uma só mulher”. E só recebia ordens episcopais homens fieis que sejam idôneos para ensinar a outros (2 Tm 2. 2), ou seja, amigo, o ensino é para homens, pregar em reunião pública é para homens, presbítero é função de homem. E nós sabemos que o presbítero tinha a função de ser pastor (gr. poimën) e só a esses presbíteros homens que Paulo manda pastorear (gr. Poimainö) a Igreja de Deus (At 20. 28). Não há menção de "presbíteras" no N. T. sendo assim, como poderemos fazer algo que as escrituras não nos orientam a fazer? Ou seja, estas mulheres ordenadas são reconhecidas como pastoras apenas por vocês, mas não existe para Deus e nem para as igrejas verdadeiras do Senhor Jesus Cristo.
IV- Exposição em Efésios 4. 11 e 1 Cor 11. 28.
No Contexto de Efésios capítulo 4 mostra que Cristo depois da ressurreição subiu aos céus e deu dons aos homens relativos a Sua Igreja “E Ele (Cristo) designou alguns para apóstolo outros para profetas, outros para Evangelistas e outros para pastores e mestres”. Note-se que todos estes dons estão no masculino, inclusive pastor (gr. poimën). Então podemos concluir que jamais Cristo deu alguns desses dons mencionados a mulheres; por tanto, ninguém deve ousar dizer que Cristo deu algum dom relativo ao ensino e a liderança para mulheres e 1 Co 11. 28 confirma Efésios capítulo 4 verso 11.  
V- Desejamos prosseguir a nossa argumentação expondo a proeminência da liderança masculina.
a) As mulheres devem estar submissas aos maridos, ou seja, a liderança do casamento também é masculina (Cl 3. 18, 19; Ef 5. 21 – 32; 1 Pe 3. 1) qualquer um que analisar estes textos percebe que a liderança no casamento é masculina.
b) Jesus estabeleceu um modelo de liderança masculina, quando Cristo designou 12 homens como apóstolos (levando em consideração que era esse grupo vivo de homens que no princípio da Igreja que tinha a liderança). Não é verdade que as mulheres têm igual acesso a todos os ofícios na Igreja, pois Jesus, o Cabeça da Igreja é HOMEM. E os 12 apóstolos que se assentarão para julgar as 12 tribos de Israel são Homens. (Trono equivale a liderança, julgar é o ofício de quem está no trono e tanto aqueles que se sentam no trono, e julga do trono são homens inclusive o próprio Cristo, que veio como homem para reinar, não há menção de mulher em trono nenhum na Bíblia, pois Deus não as chamou para liderar) (Vide: Mt 19. 28). Aprendemos com tudo isso que, nem agora e nem muito menos na Eternidade de Deus a ordem da criação vai mudar, não haverá padronização de papeis iguais para homens e mulheres em todos os níveis e autoridades da Igreja.
c) Cristo acima da cultura. Alguns argumentam que a cultura daquela época não permitia que Jesus escolhesse seis homens e seis mulheres, por isso Ele não escolheu mulheres no grupo dos doze. Esta linha de pensamento é produto da mente de feministas atrapalhando a Igreja de Deus. Jesus não estava subordinado a nenhum pressuposto cultural e agora passaremos a provar essa afirmação. Jesus criticou os fariseus, saduceus, herodianos, helenistas e todo o grupo que dominava a moral e ditava a cultura naqueles dias. Ele curava e colhia espigas no Sábado entrou no Templo dos Sacerdotes e expulsou os que vendiam, falava, comia, dormia em casa de samaritanos, falava com mulheres samaritanas, impediu uma pecadora de ser apedrejada, permitiu seus pés serem limpos por uma pecadora, comia com publicanos e pecadores. Vemos claramente que Jesus não estava preso a cultura dos seus dias, podemos dizer que Ele não era um judeu exemplar, pois veio ao mundo para transformá-lo com a Revelação do Evangelho (Rm 1. 16; 12. 1-3), então não venha nos dizer que Cristo não ordenou mulher como “apóstola” entre os 12 por causa da cultura, pois isso não condiz ao carácter de Jesus mas Ele não ordenou mulher como “apóstola” porque Ele entendia que a ordem da criação é o Homem liderar.
d) A mulher no A. T.
 Alguns citam Débora e Hulda como profetiza para dizer que o “ministério pastoral feminino” é bíblico, mas isto não condiz nem com os fatos históricos pois, na época que elas profetizaram não fizeram de forma pública e sim de maneira privada em suas casas, levando em consideração que no A.T. o dever de ensinar era dos sacerdotes da Tribo de Levi e o sacerdote era unicamente masculino e não havia sacerdotisas na religião Judaica, pois isto era prática  pagã onde as sacerdotisas serviam como prostitutas cultuais. Deus nunca chamou uma mulher para ser rainha, mas chamou Davi, e a única mulher rainha que houve em Israel Atalia que usurpou uma função que não era sua, mas Deus logo a destronou.
Conclusão
Alguns argumentam que Deus algumas vezes falou por mulheres, mas isto não é o modelo normativo das Escrituras, levando em consideração que Deus um dia falou na boca de um jumento, mas jumento não continua falando, pois isso não é normativo e nós não podemos pegar fatos isolados extraordinários e aplicar como se fossem normativos.
VI- Atos 15, o real sentido.
Aquela reunião não apóia a ordenação de mulheres, pois o assunto ali era: os cristão-gentios devem viver como judeus? E a conclusão da mesma que consistia de PRESBÍTEROS E APÓSTOLOS, foi que do princípio judaico da Torah, os gentios deveriam guardar somente as partes essências dela (At15. 1-5, 28,29) devendo a circuncisão não ser imposta aos cristão de origem gentílicas. A epistola aos gálatas foi endereçada para combater a doutrina destes judeus que queria submeter aos cristãos a lei judaica, inclusive o próprio Pedro nesta epistola de Paulo, estava sendo hipócrita nesta questão pois com os gentios vivia como gentio, mas quando chegava o grupo da circuncisão ele se afastava dos gentios e Paulo o repreendeu abertamente e Tito foi enviado a ilha de Creta para combater este grupo.Ciente disso atos cap. 15 não pode servir de base para a ordenação de mulheres.(Não adianta forçar o texto pastor).
VII- O APOSTOLADO DE PAULO, UMA DEFESA.
Segundo as suas palavras:
“Paulo foi apóstolo da cabeça dele, ou foi apostolo sem ordenação.” 

Nos instantes finais desta argumentação, nós defenderemos a autoridade do apostolo Paulo, não apenas com base nos escritos dele, mas, para quem tem intimidade com a bíblia, não é difícil encontrar referências que condene tal afirmação. O apostolo Paulo quando escreveu 1 coríntios 15.9 dizendo que ,não era digno de ser chamado apóstolo, estava ratificando a verdade revelada em 2 coríntios 10.12 que diz :


“não temos a pretensão de nos igualar ou de nos comparar,com alguns que se recomendam a si mesmos. Quando eles se medem e se comparam consigo mesmos, agem se sem entendimento.”


O próprio Cristo também confirma esta verdade de que o homem não pode testemunhar de si mesmo (João 5.31-36). É verdade que no inicio, mas bem nos primórdios, a Igreja não acreditou em Paulo, porém, isso até Barnabé o apoiar. As Escrituras nos contam que quando Paulo saiu da cidade de Dasmaco para Jerusalém, ele tentou se reunir aos discípulos, mas todos estavam com medo dele, não acreditando que havia sido salvo, então Barnabé deu lhe um voto de confiança e relatou a sua conversão na estrada de Dasmaco e de seus frutos como cristão.  Assim, Paulo ficou com os apóstolos e andava com Liberdade em Jerusalém, pregando a palavra do Senhor com coragem (Atos9.26-28).Vossa reverendíssima, disse que Paulo “não foi ordenado, nem ao menos de forma semelhante a o último dos eleitos, Matias”; mais uma vez temos que discordar da sua afirmação, pois o relato da ordenação do apóstolo Paulo se encontra em Gálatas 2. 6-21:


“Quantos aos que parecia influentes - o que eram então, não faz diferença para mim; Deus não julga pela aparência - tais homens influentes, não me acrescentaram nada. Ao contrário, reconheceram que a mim havia sido confiada a pregação do Evangelho aos incircuncisos (gentios); assim como a Pedro os circuncisos, também operou por meu intermédio para com os gentios. Reconhecendo a graça que me fora concedida,TIAGO, Pedro e João, tidos como colunas, estenderam a mão direita a mim e a Barnabé em sinal de comunhão. Eles concordaram nos dirigir aos gentios, e eles aos circuncisos.”
Neste texto está mais do que claro, que assim como eles impuseram as mãos em Matias, também o fizeram com Paulo. São Paulo  mesmo defende seu apostolado (Atos9.17,27;14.4 ;26.16-17,Rm1.1; 15,14-19,1 cor 9.1-2; caps. 11-13; 14.37-38; gl1. 1,1 tm1.12....) e ele tem os requisitos básicos para ser apostolo que eram:
a)Viu Jesus após a ressurreição.
b) Foi especificamente comissionado por Cristo.
Paulo de maneira extraordinária cumpriu os requisitos, mesmo que de uma forma incomum. (Atos 9.5-6,26.15-18.)
“Se alguém pensa que é profeta e espiritual, reconheça que o que estou lhe escrevendo é mandamento do Senhor. Se ignorar isso, ele mesmo será ignorado.” (1Co 14. 37-38).
São Paulo (Sec, 1 E. C.).
VII- Pressupostos liberais.
O senhor disse “Para seu governo, praticamente todas as igrejas neo-pentecostais ordenam mulheres e nenhuma ordena gays.”
Você disse certo elas são igrejas neo-pentecostais ou seja elas não são igrejas verdadeiras e ordenar mulheres é apenas mais um dos pecados delas, uma igreja verdadeira tem :
1)Pregação pura da palavra,
2)Administração  correta dos Sacramentos,
3) Disciplina eclesiástica.
       Ou seja, igrejas neo-pentecostais não são nossos referenciais, pois não estão enquadradas em igrejas verdadeiras.Quando falei, de igrejas que aceitaram mulheres como pastoras, estava me referindo a igrejas históricas como a Church Of England, Igreja Luterana, e os Presbiterianos, estas igrejas um dia foram igrejas referenciais para o cristianismo bíblico e milhares de pessoas foram abençoados por elas, mas desde que deixaram a Autoridade das Sagradas Escrituras ordenando mulheres, abriram uma brecha para tudo aquilo que é anti-biblíco, e inclusive para o movimento L.G.B.T.(lesbicas, gays, bissexuais e transsexuais). A argumentação dos movimentos feministas e LGBT dentro da igreja é assim:
“A bíblia não deve ter autoridade sobre tudo, pois ela não está em tudo"
(idéias de Reimarus, Bulltmann e Karl Barth),

pois ela foi afetada por uma cultura machista, patriarcal, homofóbica

(contribuições das feministas e dos homossexuais) 

e nós como cristãos modernos, não podemos aceitar estes preconceitos, e devemos como pessoas de mente abertas, incluir as diferenças, e aceitar as minorias, inclusive devemos apoiar a causa homofóbica, pois Jesus é amor, e aceita, todos e ama todos da maneira que eles são, então porque devemos ser preconceituosos e não permitir que nossos irmãos homossexuais e as mulheres que há tanto tempo são discriminadas por esta sociedade fundamentalista e de mente fechada, machista exerça o pastorado?”
Este é o discurso da moda, da cultura, que a cada dia deixa as Escrituras e se perdem para toda eternidade ate que venha prestar contas das suas obras a Deus como disse um antigo pregador chamado Leonard Ravenhil: 

“Existe milhões de caminhos para o inferno e apenas um para o céu”.

 E uns dos caminhos que levam ao Inferno é deixar a autoridade das Escrituras. Nós sabemos que nada do que dissemos aqui, vai mudar o que aconteceu, até porque os senhores são a elite, o que decidirem está decidido, porém,os senhores fazem consciente de que estão passando por cima de uma ordem Bíblica.



“Que Deus tenha misericórdia da Assembleia de Deus e da CEADDIF.”
Veja o que disse o doutor Augustus Nicodemus sobre este assunto:

CLIQUE AQUI

PERMISSÕES: Você está autorizado e incentivado a reproduzir, distribuir ou divulgar este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério, e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.



Maique Borges


Avatar
Maique de Souza Borges, é um teólogo autodidata, estudante e amante da música sacra. Com o intuito de proclamar as Boas Novas, e convidar os brasileiros para voltarem à centralidade da Palavra de Deus, criou o blog Cooperadores do Evangelho. É casado com Poliana Borges e é o pai do Miguel.



Samuel Magalhães


Avatar
Samuel Carneiro Magalhães é militar lotado na Marinha do Brasil, Enfermeiro e terapeuta holístico. Tem Graduação em Teologia pela Universidade Luterana do Brasil. É também graduado em Enfermagem pelo Instituto de Ensino Superior de Minas Gerais com aperfeiçoamento em Reiki I e II, fitoterapia e em Florais de Bach. Além de Ensino Profissional de nível técnico, complementação técnica em Enfermagem.