LIVRO: A Igreja Impotente: A Feminização do Cristianismo


Por: Leon J. Podles

Uma nota pessoal

Os homens pensam que a RELIGIÃO e especialmente a igreja, são para mulheres. Por que as mulheres são "o sexo mais devotado"?

As igrejas modernas são clubes de mulheres com alguns oficiais do sexo masculino ou, como Brenda E. Basher coloca, "Se a religião americana fosse imaginativamente conceituada como uma loja de roupas, dois terços do seu espaço seriam de roupas de casa para as mulheres; e o escritório do gerente seria ocupado quase exclusivamente por homens.

Homens continuam comandando a maioria das igrejas , mas nos bancos as mulheres superam os homens em todos os países da civilização ocidental, na Europa, nas Américas, na Austrália. Também não é a ausência dos homens de origem recente. Cotton Mather esta intrigado sobre a ausência dos homens das igrejas da Nova Inglaterra e pregadores medievais afirmaram que as mulheres praticavam sua religião muito mais do que os homens. Mas os homens não mostram essa mesma aversão em todas as igrejas e religiões. Os Ortodoxos parecem ter um equilíbrio e o islã e o judaísmo têm tem uma sociedade predominantemente masculina. Algo está criando uma barreira entre o cristianismo e os homens ocidentais e esse algo é o assunto deste livro.

Eu venho me interessando por este assunto ao longo de uma série de caminhos. Eu me casei tarde, e as dificuldades de adaptação ao casamento depois de um longo celibato fez-me muito consciente das diferenças entre homens e mulheres. Minha esposa é um historiadora de arte, e de folhear os livros dela me interessei nas diferentes representações de homens e mulheres, e como apenas duas linhas poderiam sugerir as diferenças entre os corpos masculinos e femininos. Em seguida, tive gêmeos, um menino e uma menina, que não só tinham personalidades muito diferentes, mas a menina era extremamente feminina eo menino extremamente masculinos. Ela em dois anos e já era muito mais verbal do que ele. Gostaríamos de perguntar ao Tom o que ele queria, e Sarah serviria como seu porta-voz: "Tom gostaria de um copo de leite e três bolachas." Gostaríamos de pedir ao Tom se era isso que ele realmente queria e ele teria que balançar a cabeça ou explodir em lágrimas por sua incapacidade de articular seus sentimentos.

A diferença entre homens e mulheres que mais causaram-me desconforto foram a falta de interesse na religião entre os homens, especialmente homens de masculinidade acentuada ou mesmo normal. Os sacerdotes católicos da minha infância nos anos 50, muitos dos quais eram veteranos da Segunda Guerra Mundial, por vezes, pareciam conscientes da dificuldade de obtenção de homens interessados em religião e analogias ao Futebol ocasionalmente animavam os sermões. Como eu não era um fã de futebol, este estava explicando a ignotum por ignotior. Livros didáticos católicos do ensino médio tentaram falar com os meninos, comparando a graça com o combustível de aviação a jato (uma metáfora de precisão teológica duvidoso) e chegar ao céu como ganhar uma corrida (uma comparação solidamente fundada em escritura).

Meu despertar religioso adolescente ocorreu na escola secundaria de meninos.
Eu li CS Lewis e Chesterton e tentei imitar o estilo combativo de Chesterton na minha escrita e conversação. Eu decidi que eu poderia ter uma vocação para o sacerdócio e fui para uma casa pré-seminário na faculdade dos homens. (Tive o privilégio agora raro de ter uma educação somente para meninos, por oito anos.) Como eu descobri, o seminário, infelizmente , estava cheio de homossexualidade de vários tipos. A política das autoridades foi a ignorar a situação, esperando que ela fosse embora. Se ela foi embora, eu não sei, mas eu fui embora. Os estudantes regulares, embora tivessem escolhido ir a um colégio religioso, plenamente consideravam as aulas de teologia requeridas chatas e raramente apareciam. Na verdade, a faculdade não tinha sequer uma capela capaz de manter mais do que uma pequena parte de seu corpo discente, embora seu ginásio fosse grande o suficiente para as multidões, atraídas pelos seus jogos de basquete.

Eu ocasionalmente me envolvia na vida paroquial, nas cidades em que eu vivia. No meu desconforto eu reparei uma porcentagem incomum, talvez um quarto, dos meus conhecidos masculinos eram homossexuais. Na reflexão, percebi que eles eram os únicos que conheci através da igreja ou dos encontros religiosos. Eles eram divertidos, mas eu me sentia estranho ao seu redor, e alguns deles mais tarde morreram de AIDS. Embora eu não deseje questionar a sinceridade de seu compromisso religioso, pois talvez sejam o feridos que especialmente conhecem a sua necessidade para o toque da cura de Jesus, era estranho pois parecia ser o tipo mais comum de homens jovens encontrados na igreja. Mulheres jovens normais estavam ali em abundância; na verdade, devo confessar que foi uma das razões que eu passei um tempo em atividades paroquiais.

Na busca de uma explicação para a falta de homens na igreja e da falta de masculinidade entre alguns homens na igreja , eu li sobre as diferenças entre homens e mulheres. Sociólogos observaram de um modo geral que os homens eram menos religiosos do que as mulheres , e eu percebi que a minha experiência pessoal era apenas uma instância específica de uma situação geral . Este enigma me intrigou. Por que os homens eram tão pouco interessado em religião, e porque os homens que estavam interessados muitas vezes não seguem o padrão geral de masculinidade ? Por que a religião não parece interessar muito os, pelo menos até chegarem a velhice e a morte se aproximar ? Os sociólogos têm apresentado algumas teorias, que vou discutir , mas eles não parecem explicar a situação de forma muito satisfatória . O melhor escritor sobre o tema geral de masculinidade é David Gilmore, e minha grande dívida para com a sua masculinidade no Makingwill se tornará clara. No entanto, ele não trata da falta de interesse no cristianismo entre os homens modernos ocidentais. Walter Ong, SJ, em Lutando pela Vida, aprendeu a escrever em um estilo, um pouco impenetrável sobre o declínio da masculinidade no catolicismo moderno , mas parece ter largado o assunto depois de ter escrito o livro. Seu companheiro jesuíta , Patrick Arnold, em Warriors, homens selvagens , e Reis, deu esta questão, um tratamento ainda mais completo, mas seu livro é marcado por Jungianismo pop e uma atitude muito estranha a homossexualidade.

Eu também tinha me interessado na literatura de guerra depois de cruzar com o livro Paul Fussell , A Grande Guerra e Memória Moderna. A análise tática e estratégia não me interessa, nem o relato de batalhas em que os clichês estouravam no ar, mas sim a experiência da guerra, esse nem é o meu interesse único. Os clientes de livrarias são na sua maioria mulheres; mas as livrarias sempre têm uma seção que poderia muito bem ser rotulado apenas para os homens: livros sobre a guerra.

Ao ler sobre a guerra, eu percebi que ali estava algo que os homens levavam com mortal (literal e metaforicamente) seriedade. A Guerra, e a experiência de guerra encontradas na literatura e encenações, bem como os análogos e os outros substitutivos para a guerra como os esportes e ocupações perigosas, forneçem o real centro do emocional, e eu diria mesmo o do espiritual, para a vida da maioria dos homens no mundo moderno. A ideologia da masculinidade tem substituído o cristianismo como a verdadeira religião dos homens. Vivemos em um sociedade com uma religião fêmea e uma religião masculina: Ha no Cristianismo, vários tipos, para mulheres e homens não-masculinos; e a masculinidade, especialmente em as formas de concorrência e de violência que culminam na guerra para os homens.

Minha experiência pessoal é limitada a América do Norte, e mais trabalho sociológico sobre a religião e os homens tem sido feito na América do Norte e França. No entanto, a falta comparativa de interesse masculino em no cristianismo é o mesmo em todo o cristianismo ocidental, católica e protestante. América do Sul é notório. A igreja é para as mulheres; os barres são para os homens. Em 1932, Evelyn Waugh visitou uma cidade brasileira desolada, Boa Vista, onde os beneditinos tinham uma missão e já haviam tentado em vão cristianizar os habitantes. Waugh comenta que "a Igreja
foi, considerando a vilania do lugar, surpreendentemente bem atendida ", naturalmente pelas mulheres e crianças, um "desabrochar semanal de feminilidade." Os homens vieram para desfrutar das mulheres: "Eles não vieram para a Igreja, mas concentravam-se na varanda , indo para fora ocasionalmente para fumar um cigarro para que seja contrário à etiqueta brasileira.

Um amigo meu ficou por várias semanas em uma cidade italiana, e ele e sua esposa assistiram a missa diária. Ele era o único homem na igreja além do sacerdote, e sua presença era tão incomum que atraiu a atenção dos carabinieri, que o investigaram para ver que trapaça estava acontecendo. Depois ele atravessou o mar Egeu para a Grécia, ele se assustou com a diferença nas igrejas ortodoxas. Para qualquer evento, havia mais homens do que mulheres; os homens também conduziram-os para cantar e enchiam as igrejas com a profunda ressonância de suas vozes. A única vez que os americanos vão ouvir alguma coisa parecida com isso é se eles assistirem a turnê do concerto do coro da igreja Ortodoxa Russa. Não há música de igreja para basso profundo escrita pelos norte-americanos.

Os historiadores, teólogos e clérigos, ocasionalmente, notaram a falta de homens em sua própria área de estudo ou de responsabilidade, mas ninguém examinou a evidência para a falta de homens em todo o cristianismo ocidental. Estudiosos tentam explicar a relativa falta de interesse dos homens pela situação histórica ou social peculiar com que os estudiosos estão preocupados, mas os estudiosos da história americana colonial mostram pouca consciência da Alemanha medieval, e sociólogos limitam seus estudos para situações que podem medir.

O clero tem o interesse mais direto e prático na situação, e eles têm demonstrado uma notável falta de preocupação. Eu suspeito que o clero não está descontente com a ausência de homens. As mulheres são mais fáceis de lidar do que os homens seriam. Mesmo as feministas podem ser satisfeitas até certo ponto. Os hinos e a Bíblia estão sendo reescritos para expurgar as referências a homens; os poucos homens na congregação não vão protestar. Igrejas protestantes ordenam mulheres, os seminários já estão a meio-feminilizados, e o clero protestante vai ser uma profissão caracteristicamente feminina, como enfermagem, dentro de uma geração. Se os sacerdotes não estão disponíveis, Roma permite que os católicos que não são sacerdotes sejam nomeados administradores das paroquias. Isso destina-se a países alvo das missoes, mas bispos americanos aproveitaram-se deste dispositivo e nomeiam freiras e mulheres divorciadas leigas para o comando das paróquias como seus recursos humanos diocesanos, as burocracias ficam com sacerdotes, ou até mesmo deixando sacerdotes de perna para o ar sem atribuições.

Muitas dioceses católicas desencorajam ativamente as vocações ao sacerdócio, em uma tentativa transparente para colocar pressão sobre Roma afim de permitir a ordenação de mulheres, ou pelo menos de homens casados. O Concílio Vaticano II reavivou o diaconato permanente, que apreciou de popularidade por vários anos nos Estados Unidos, esse diaconato seria formado por homens maduros e casados, receberiam treinamento teológico para em seguida, serem designados a ajudar nas paróquias. No entanto, estes programas foram terminados em muitas dioceses, pois o diácono é do sexo masculino, e diáconos ocupam postos de trabalho que poderiam ser dados às mulheres.

Porque o cristianismo é visto agora como uma parte da esfera de vida adequada para as mulheres e não para os homens, às vezes atrai homens cuja própria masculinidade é um pouco duvidosa. O que não que dizer necessariamente homossexuais, apesar de um certo tipo de homossexual está incluído. Ao invés disso a religião é vista como um campo seguro, um refúgio contra os desafios da vida e portanto, atrai homens que têm medo de fazer a ruptura com o mundo seguro da infância dominada por mulheres. Estes são os homens que têm problemas seguindo o caminho do desenvolvimento masculino, um padrão que vai ser examinado em detalhe mais tarde no livro. É um obviedade entre os católicos que os sacerdotes se tornam padres por causa da influência de suas mães , e muitos sacerdotes são emocionalmente muito perto de suas mães , mais do que para os homens, mesmo aos seus pais. Os sermões sentimentais no Dia das Mães costumavam parecer o grande apice de uma novela com final dramatico, nas igrejas católicas. Mesmo a devoção a Maria foi afetada. Tal devoção tem uma base teológica , mas tendem a substituir um relacionamento com Cristo ou com o pai. A justificativa para isso foi feito às vezes explícita. Em um seminário Dominicano na década de 1940 , um professor desenvolveu uma sequência , que mais tarde amadureceu em um pequeno culto . Ele explicou a devoção católica a Maria da seguinte maneira: Os homens têm uma relação mais distante com seus pais do que com suas mães. Eles, portanto, têm mais dificuldade para se relacionar com um Deus masculino (o Pai ou Jesus ) do que o reflexo do amor materno em Maria. A devoção a Maria , por esse ponto de vista, ressalte-se mais do que a devoção a Cristo. Apesar das implicações teológicas extraordinárias desta linha de pensamento, o professor, obviamente, atingiu um nervo em seus discípulos seminaristas: eles eram o tipo de homens que se sentiam mais confortáveis com o feminino do que com o masculino. Essa situação é verdade na maior parte do clero protestante. Como Maria não estava acessível, entao primeiramente sentimentalismo, e, agora, feminismo, tem preenchido o vazio.
Tear down this wall!

Esta feminização do clero explica a falta de reflexão sobre esse assunto em que o clero deveria estar interessado: Por que metade de sua congregação potencial mostra uma falta de interesse ativo no cristianismo, uma indiferença que, por vezes, considera presença masculina no suspeito da igreja? Entre os católicos, os poucos escritores que prestaram muita atenção para a questão foram os jesuítas. Como os primeiros jesuítas eram um dos movimentos religiosos católicos mais maculinisados, isso não é nada surpreendente. No entanto, a obra de Walter Ong e Patrick Arnold nao produziu nenhuma resposta duradoura. Círculos católicos estão cheios de comitês e conferências sobre o lugar das mulheres na igreja, e quase nenhum sobre a ausência de homens.

Entre os protestantes alguns evangélicos existe a consiencia desse problema com os homens e eles tentam alcançá-los . Eu estava em uma escola Batista para discutir com um ex-professor e com o diretor. O diretor observou que o professor era uma pessoa decente, mas um pouco mole. O diretor teve que ensiná-lo a comportar-se de uma forma masculina e a adotar uma linguagem corporal assertiva. O professor tinha vindo de uma família em que a mãe era a força religiosa dominante; e ela era a única que tinha escolhido a igreja e fez com que seu filho fosse para a escola religiosa e faculdade. Ele era, sem dúvida, heterossexual, mas tinha dificuldade para romper com o meio feminino e estabelecer a si proprio como um homem . No anos 70 eu vivi por um ano em uma casa com um bom número de evangélicos e carismáticos, estudantes da Universidade de Virginia . Eles faziam parte de um igreja, plantada por um ministro, que mais tarde se transformou em uma grande igreja Presbiteriana e que tem algumas Universidades na Virgínia contando com cursos e afiliados masculinos, principalmente no corpo docente das escolas de ciências e engenharia . Mulheres evangélicas talvez percebam a dificuldade que os homens têm com a igreja e, ocasionalmente, se afastam para dar espaço aos homens nos cargos de liderança aonde os homens se sentem mais confortáveis. Mas uma forte corrente do evangelicalismo, representado por Christianity Today, que fez muitos compromissos com o feminismo bem como ignora o problema da falta de homens na igreja. Dr. James Dobson de Focus on the Family, que tem notado essa tendência em Christianity Today, é um dos líderes evangélicos mais importantes e que está preocupado com o papel dos homens na família e na igreja.


Se os evangélicos ocasionalmente mostram alguma consciência da falta de homens, as principais denominacoes protestantes não parecem achar que existe um problema. A Igreja Metodista é um clube para mulheres em oração. Uma vez fui a um serviço da igreja Luterana do Dia da Ascensão, que também comemorou o aniversário do compositor Bach. Os celebrantes eram homens; um amigo católico e eu éramos esses homens; das três centenas de fiéis nessa igreja Luterana talvez três ou quatro eram homens. Lutero, o que quer se pensa na sua reforma, era masculino em sua agressividade . Bach é um dos mais racionais compositores no campo matemático-artístico, composição muscial, que é quase exclusivamente do sexo masculino. Por que alguém iria ser surpreendido se um foi para um tal serviço e encontrou trezentos homens e apenas quatro mulheres? A situação é especialmente grave em igrejas negras, seja estabelecidas ou lojas. Embora os pregadores sejam homens, as congregações são predominantemente compostas por mulheres. A ausência de homens tem tido conseqüências especialmente tristes para a comunidade negra.

As igrejas estabelecidas, há muito tempo fazem um desfile da sua preocupação com os direitos civis e para a situação das minorias. Mas há uma minoria cuja causa elas calmamente ignoram: os homens negros. O problema da criminalidade e abuso de drogas entre os homens negros urbanos é um problema de distorção da masculinidade. Mas as igrejas liberais têm pouco a dizer sobre masculinidade exceto condená-la como um obstáculo para a libertação das mulheres. Igrejas que gastam sua energia caçando fora e obliterando os últimos vestígios do patriarcado não estão em posição de ajudar os homens negros alcançar o status que tão desesperadamente necessitam para o seu próprio bem e para o bem das mulheres negras e crianças: a de patriarcas, pais responsáveis que governam suas famílias na justiça e no amor.




A ausência de homens, não deixou mulheres intocadas. Como veremos, as mulheres foram forçadas a um molde não natural por um mal-entendido entre os cristãos e a feminilidade. Muito do feminismo atual é uma reação compreensível contra uma caricatura de feminilidade. A desagregação da relação adequada de masculinidade e feminilidade, macho e fêmea, Adão e Eva, está na raiz de muitas das falhas da Igreja no mundo moderno. Esta situação não seria surpresa para o autor do Gênesis.

No capítulo um, exércitos de mulheres, examino a falta de homens em todo o cristianismo ocidental, a começar pela falta de masculinidade entre alguns homens cristãos. A melhor evidência vem da França, que tem uma longa tradição de sociologia religiosa e da Inglaterra e dos Estados Unidos. As várias explicações para a falta de homens são cobertos no capítulo dois, um homem pode ser um cristão? A maioria das pessoas não acha que os homens são muito ruins para o cristianismo, ou o cristianismo é muito afeminado para homens.

Masculinidade é a chave para que os homens comportem como homens. No capítulo três,
O que é masculinidade?, Eu uso a evidência da antropologia e da psicologia desenvolvimentista para esclarecer as peculiaridades da personalidade masculina. Iniciação à masculinidade é uma forma de iniciação religiosa. O homem iniciado torna-se um herói, cujas as aventuras Homero cantou na Odisséia. Masculinidade é essencial para a idéia judaica de Deus e é um tema principal das Escrituras, como mostro no capítulo quatro, Deus e Homem no judaísmo. Masculinidade continua a ser uma característica das três pessoas que são reveladas no Novo Testamento, e os cristãos sao masculinos porque ele é conformado ao Filho masculino. Os mártires e os monges foram iniciados na masculinidade, e em Beowulf uma cultura cristã olha para a masculinidade pagã, com sua glória e falhas autodestrutivos. Eu pegar essas idéias no capítulo cinco, Deus e Homem em cristianismo primitivo.


No Capítulo seis, Os Fundamentos da Feminização, trato da conjunção de Bernard de Clairvaux, Escolástica, e o movimento medieval das mulheres que provocaram a feminização inicial da igreja ocidental. A Igreja tem sofrido de estar excessivamente feminizada, como mostro no capítulo sete, o cristianismo feminizado. A qualidade da espiritualidade mudou. Misticismo nupcial torna o cristianismo individualista e erótico; tendências femininas a união sem uma presença masculina corretiva dao origem ao universalismo e quietismo. No capítulo oito, contracorrentes, eu olho para as forças que mantiveram uma presença masculina na igreja, das Cruzadas para o Promise Keepers.

A masculinidade, quando se torna uma religião pode facilmente se tornar demoníaca. Esportes podem ser inofensivos, mas o fascismo eo niilismo são o resultado de uma masculinidade separada do cristianismo. As várias formas de masculinidade como religião são o tema do capítulo nove, Masculinidade como Religião: Transcendência e niilismo. No capítulo dez, O Futuro do Homen na Igreja, eu olho para possibilidades de reconectar os homens a igreja, com foco nas áreas de iniciação, luta e amor fraternal.

Gostaria de agradecer a minha esposa por sua paciência em ouvir-me e como eu formei minhas ideias ao longo dos anos. Mitchell Muncy, meu editor na Spence Publishing, me ajudou a dar forma às idéias, às vezes caóticas e deu este livro como estrutura e organização, pois tem. O escritório de Empréstimo entre bibliotecas da Universidade Johns Hopkins rastreou quase todos os artigos.