Vários símbolos são empregados nas Escrituras para representar o Espírito Santo. Tendo em vista a popularidade dos signos, das representações no imaginário popular (e religioso), decidi esboçá-los nesta introdução à análise da natureza do Espírito Santo. Agora, porém, convido-o/(a) a analisar a personalidade do Espírito Santo. Neste caso é necessário o emprego exaustivo da Palavra de Deus, afinal, a Paracletologia séria, coerente, relevante, jamais vai procurar conhecer o Espírito Santo estudando apenas a simbologia. Os símbolos, as figuras, os temas, os sinais, as representações, são importantes, mas não são as únicas formas nem as mais eficientes e eficazes fontes de revelação a respeito do Espírito de Deus; alguns desvios, aliás, atinentes ao Espírito Santo, originam-se exatamente do mau uso dos símbolos.

Algumas religiões creem e ensinam que o Espírito Santo não é um Ser vivo, dotado de personalidade própria, atributos divinos. Outras, ao invés de o classificarem como Deus, preferem descrevê-lo simplesmente como uma mera influência, emanação de Deus, energia cósmica, poder impessoal, e assim por diante. Outras heresias e afirmações incorretas atinente às obras e à pessoa do Espírito Santo são preconizadas atualmente em vários segmentos religiosos. Por isso é necessário que os súditos de Cristo se voltem à Bíblia para refutar tais desatinos. Conhecer o Espírito Santo é crucial a cada crente. Se o Espírito é uma pessoa divina, pode e deve ser conhecido, reverenciado e servido. Mas se é apenas mera influência, poder emanado de Deus, então até pode ser perscrutado e conhecido, mas nunca adorado.

Um dos graves problemas por trás da alegação de que o Espírito não é uma pessoa, é a negligência da prática cúltica que lhe cabe por parte de cada crente e da igreja, a final, ele também é Deus e como tal é merecedor de adoração autêntica e constante!

O Dr. Erickson afirma que não estamos lidando com uma força impessoal. A Bíblia deixa claro de várias maneiras que o Espírito Santo é uma pessoa e possui todas as qualidades inerentes a isso. A primeira prova da personalidade, segundo Erickson, é o pronome masculino para representá-lo. Já que a palavra grega pneuma (espírito) é neutra, e já que os pronomes devem concordar com seu antecedente em pessoa, número e gênero, seria de esperar que o pronome neutro fosse empregado para representar o Espírito Santo. A segunda linha de provas da personalidade do Espírito Santo é uma série de passagens em que, sem dúvida, é um agente pessoal. O termo parakletos (conselheiro, advogado) é aplicado ao Espírito Santo em João 14:26; 15:26; 16:7. Outra função que tanto Jesus como o Espírito Santo exercem e que, por conseguinte, serve como indício serve como indício da personalidade do Espírito, é a de glorificar outra pessoa da Trindade (Jo 16:14; 17:4). A conjunção do Espírito Santo com o Pai e o Filho nesses eventos (Mt 28:19; 2Co 13:14; Jd vs.20,21; 1Pe 1:2, etc.) é uma indicação de que ele é pessoal, assim como os outros dois[1].

José Roberto de Oliveira Chagas


[1] ERICKSON, Millard J., op. cit., p.204
PERMISSÕES: Você está autorizado e incentivado a reproduzir, distribuir ou divulgar este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério, e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.