1Rs 19:4 - E ele se foi ao deserto, caminho de um dia, e veio, e se assentou debaixo de um zimbro; e pediu em seu ânimo a morte e disse. Já basta, ó Senhor; torna agora a minha vida, pois não sou melhor do que meus pais.

A ideia de pastores deprimidos se choca com a imagem que, nós, pastores mostramos para as pessoas com as quais convivemos na igreja. Esquecemo-nos de que somos criaturas com inteligência e sofrimentos. Somos vasos de barro. Somos vulneráveis a fragilidades, tanto físicas quanto emocionais. Na vida pastoral, nos sobrecarregamos com tantas emoções negativas dos outros que não encontramos tempo para tratar das nossas próprias emoções. Aconselhamos, exortamos as pessoas a que sejam fortes. Animamos os desanimados. Suportamos o mau humor de pessoas nervosas, mas nós mesmos, às vezes, ficamos tão tensos, que não encontramos onde liberar nossas angústias, expectativas e momentos depressivos.

Dos vários homens e mulheres da Bíblia que experimentaram a depressão, destacamos neste artigo o profeta Elias. Sua história nos revela dois ângulos de sua vida. Num ângulo o vemos forte, vitorioso e decidido. Noutro, o vemos decepcionado e depressivo (1Rs 19:1-17). A experiência de Elias nos revela que, nós, homens de Deus, temos experiências frustrantes no decorrer dos anos do ministério pastoral. Aprendemos que, a despeito de nossa história de fidelidade a Deus e ao ministério, somos sujeitos a não termos todas as respostas desejadas e a não sermos respondidos por Deus todas as vezes que orarmos. Aprendemos que o silêncio de Deus é a sua melhor resposta às nossas indagações. Com a experiência de Elias, aprendemos que Deus pode permitir que sejamos quebrados como um vaso de barro espatifado ao chão e que, pelo seu poder, pode nos reconstruir. Aprendemos que, às vezes, somos esmagados em nossas emoções tal qual se esmaga a “uva no lagar”, mas Deus pode produzir um bom vinho com estas experiências. Enfim, com elas, Deus nos ensina a lidar e administrar as circunstâncias adversas de nossa vida pessoal e pastoral.
Quantos de nós, em algum momento de nossa vida pastoral, desejamos desistir da lide ministerial. Sentimo-nos incapazes de reagir para recomeçarmos e, por isso, o único desejo parece a solidão. Na história do profeta Elias, o vimos enfrentar 450 profetas de Baal com uma fé modelar e com uma coragem nunca dantes experimentada. De repente, bastou a ameaça de uma mulher para que ele fraquejasse com medo de morrer. Antes, ele enfrentou uma batalha espiritual contra o inferno para resgatar seu povo da idolatria. Depois, não conseguia vencer os fantasmas do seu próprio coração. Grandes batalhas, mesmo vitoriosas podem exaurir nossas forças emocionais e espirituais. Por isso, entendemos que é possível que homens de Deus sejam atingidos por desequilíbrios emocionais resultando em depressão.

Elienai Cabral

Este pequeno texto é uma introdução à nossa Nova Série de postagens que irá abordar um tema muito atual e que tem afetado muitos, incluindo crentes: A Depressão. Abaixo o sumário de todas as postagens posteriores, acompanhe atentamente, ou inscreva seu email na caixa ao lado para recebê-las diretamente no seu email.

Parte 2: O Vale de Sombra dos Pastores Parte 3: Emocionalmente Frágeis
  • 1. O Vale de Sombra Dos Pastores
  • 2. Emocionalmente Frágeis
  • 3. Pastores Também Ficam Deprimidos
  • 4. Afinal, O Que é Depressão?
  • 5. Sentimento de Culpa e Depressão
  • 6. A Depressão é Pecado?


PERMISSÕES: Você está autorizado e incentivado a reproduzir, distribuir ou divulgar este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério, e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.