Continuando a série Depressão: Como vencer o esgotamento espiritual no minitério

Temos de aceitar, antes de tudo, o fato de somos frágeis e, como pastores, estamos sujeitos a quebrarmos como os vasos de barro. E por isso, somos criaturas emocionalmente frágeis. Por causa de nossos primeiros pais, Adão e Eva, toda a nossa  genética ficou comprometida. Toda a descendência humana tornou-se fragilizada em consequência do pecado e do seu poder corruptivo. O grande rei Devi experimentou essa fragilidade e sentiu na própria carne os efeitos da ansiedade e da depressão. Ele sentiu o gosto amargo da tristeza e pode retratar essa experiência no Salmo 31:10-12: "Porque a minha vida está gasta de tristeza e os meus anos, de suspiro. [...] Sou como um vaso quebrado".

Esse lamento de Davi demonstra causas genéricas de sua vida política, social e até física que o faziam viver sempre com grandes emoções. Às vezes, nesse estado de espírito, com o coração apertado e deprimido, Davi escrevia poesias carregadas de melancolia. Outras vezes, ficava tão "para baixo", que se sentia  o pior homem na face da Terra. Concluía, afinal, que a despeito de todos os sucessos do seu  reino, ele não passava de um vaso quebrado. Às vezes, em tempos de paz e prosperidade, nos esquecemos que somos "vasos de barro". Isto significa entendemos que somos vulneráveis às fragilidades, tanto físicas quanto emocionais. Davi descobriu que, pelo fato de ser  um rei, não era  invulnerável e essas fragilidade e às pressões da vida, como no mito do "super-homem".

O homem segundo o coração de Deus entendeu que era apenas um "vaso de barro", que pode ser quebrado, e que também há  um oleiro especialista em refazer, reestruturar e restaurar vasos quebrados.

Muitos de nós enfrentamos emoções que podem nos levar "ao cimo do monte" ou ao "vale sombrio". É assim que nos sentimos, às vezes. Como pastores, temos a tendência de imaginar-nos invulneráveis. Somos, às vezes, acometidos pela "síndrome de super-homem", e parece que nada nos atinge. Iludimo-nos com a ideia de que podemos resolver todos os problemas da igreja. Mas o tempo acaba nos ensinando que, física, emocional e espiritualmente, podemos nos estressar e temos dificuldades em lidar com as nossas próprias emoções. É aí que começa o "vale sombrio" do desespero, da decepção e da depressão.
A história de Elias nos mostra dois ângulos da sua vida. Primeiro, ovemos forte, vitorioso e decidido. Depois, ovemos medroso, decepcionado e deprimido. Após uma grande vitória contra os profetas de Baal, quando deveria estar no ápice  do "bom humor"  e da alegria, Elias se deixa dominar por um estado de ânimo deprimente. Antes, vitorioso; depois, totalmente deprimido querendo desistir da vida e cheio de medo da diabólica Jezabel. Isto nos convence de que é possível  em tempos de conquistas e vitórias um crente ser acometido por um desânimo e até cais em depressão. Homens e mulheres santos, da Bíblia e fora dela, tem experimentado emoções fortes, boas e más. Muitos deles tornaram-se vítimas da depressão, porque não souberam  administrar suas emoções de modo a manter equilíbrio nas circunstâncias adversas.
PERMISSÕES: Você está autorizado e incentivado a reproduzir, distribuir ou divulgar este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério, e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.