Acabamos de passar pelo 2º turno das eleições presidenciais, e o resultado das urnas desagradou muita gente. Afinal, a presidente Dilma Rousseff foi reeleita com pouco mais da metade dos votos válidos, e iniciará seu segundo mandato em uma grave crise de popularidade. Isso tem gerado um clima de frustração, tensão e animosidade nas redes sócias e também nos relacionamentos reais.
Isso tem despertado preocupações em nós como pastores do rebanho do Senhor. Por isso, consideramos necessário escrever esta carta a fim de alertar ao máximo possível de irmãos sobre alguns riscos que corremos em momento políticos como o que estamos vivendo. 
Nosso alerta é para que vocês vivam em santidade, e não incorram em pecados, como os que destacaremos a seguir.
1. “Mas eu lhes digo que qualquer que se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento. Também, qualquer que disser a seu irmão: ‘Racá’, será levado ao tribunal. E qualquer que disser: ‘Louco! ’, corre o risco de ir para o fogo do inferno” (Mateus 5:22).
Há irmãos nossos que votaram em Aécio Neves, e há irmãos que votaram em Dilma Rousseff. O fato de alguém ter votado diferente de nós não faz com quem seja menos irmão nosso. E por isso, qualquer tipo de declaração do gênero“Quem votou no(a) candidato(a) X é burro, idiota, imbecil˜ é grave e pecaminosa. Quem incorrer nesse pecado terá que dar contas ao próprio Deus. Por isso, se guarde desse tipo de fala ou de comentário. E se você já caiu nesse erro, é tempo de se arrepender e se retratar logo. Não demore em pedir perdão. 
2. “Com a língua bendizemos ao Senhor e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus. Da mesma boca procedem bênção e maldição. Meus irmãos, não pode ser assim! Acaso pode sair água doce e água amarga da mesma fonte?” (Tiago 3:9-11).
Somos uma fonte e de nós não pode jorrar bênção e maldição. Infelizmente temos visto nas redes sociais muitas pessoas amaldiçoando os eleitores da presidente reeleita e as autoridades. Ora, se de nós tem saído maldição é porque o problema está na fonte, ou seja, em nós mesmos. Por isso, se guarde de falar mal dos outros. Se você não se acha em condições de abençoar, não diga nada e não peque contra o Senhor. Como Pedro nos ensina: “quem quiser amar a vida e ver dias felizes, guarde a sua língua do mal e os seus lábios da falsidade” (1 Pedro 3:10).
3. “Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem” (Efésios 4:29).
Só deve sair da nossa boca palavras que edificam. O que suas palavras e comentários têm construído? Não se esqueça que nós temos o ministério da reconciliação (2 Coríntios 5:18), e por isso devemos construir pontes, e não muros. Devemos estabelecer laços entre as pessoas, e não cavar abismos. Somos chamados para sermos pacificadores (Mateus 5:9), e no que depender de nós, devemos ter paz com todos os homens (Romanos 12:18). Por isso, avalie com cuidado e com temor a Deus tudo o que você tem construído com seus comentários: pontes ou muros?
4. “Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ação de graças por todos os homens; pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranquila e pacífica, com toda a piedade e dignidade” (I Timóteo 2:1-2).
Independentemente de concordarmos ou não com os governantes, temos o dever de orar por eles. Oração não significa concordância, mas é clamar ao Senhor para que intervenha. E se Jesus nos ensinou a orar até mesmo pelos que nos perseguem (Mateus 5:22), quanto mais devemos orar pelos que nos governam, ainda que discordemos deles. Por isso, comprometa-se com a oração pelas autoridades e pelo nosso país.
5. “Lembre a todos que se sujeitem aos governantes e às autoridades, sejam obedientes, estejam sempre prontos a fazer tudo o que é bom, não caluniem a ninguém, sejam pacíficos e amáveis e mostrem sempre verdadeira mansidão para com todos os homens” (Tito 3:1-2).
O texto acima é claro e não exige muitos comentários. Tomem especial cuidado para não caluniarem ninguém. No momento que o Brasil vive, antes de divulgar qualquer notícia nas redes sociais, verifique primeiro a autenticidade e se a fonte é confiável. Não se deixe ser usado por Satanás para espalhar mentiras e calúnias. Nosso compromisso é com a verdade. O pai da mentira é o diabo, e ele não tem nada em nós.
Esses são apenas alguns alertas que queremos transmitir à vocês. É claro que há muitos outros a serem abordados, mas esses são os que consideramos mais urgentes para o momento.
Não deixem de orar pelo Brasil e de abençoar o nosso país.
Em Cristo,
Anderson Paz, do blog Conexão Eclésia