Os imponentes monólitos do Stonehenge, que suportaram a ação do tempo e a depredação promovida por visitantes, resistem também às discussões arqueológicas e até místicas sobre sua origem. Os especialistas nunca chegaram a um consenso sobre a finalidade do enigmático monumento.
Stonehenge é um monumental assentamento circular pré-histórico que consiste de enormes blocos de pedra dispostos em circulo no centro de uma área também circular e terraplanada por um fosso. Situa-se a 13km de Salisbury, no condado de Wiltshire, Inglaterra. O início de sua construção se deu por volta do ano 3100 a. C.Alguns planos nunca chegaram a ser completados por seus construtores originais; outros foram remodelados em épocas subsequentes. A concepção geral, entretanto, permanece: no interior de uma espécie de paliçada de pedra, levantaram-se cinco “mesas” ou dolmens de arenito, bem no centro do espaço cercado pelo fosso. Essas estruturas são únicas em toda Europa. Os blocos de pedra polida têm nove metros de altura, com peso médio de cinquenta toneladas. A descoberta dos três períodos de construção (Stonehenge I, II, III) foi resultado de escavações realizadas a partir de 1919 e principalmente depois de 1950. No Stonehenge I, os construtores neolíticos se serviram de chifres de alces para abrir um fosso circular a 2m de profundidade, Ergueram duas pedras e de 1,4 a 2m de profundidade. Ergueram duas pedras na direção nordeste do círculo (uma das quais permanece de pé) e cavaram 56 buracos rasos também em disposição circular.
 O Stonehenge II data de 2100 a. C. Nessa fase, o complexo foi inteiramente remodelado. Cerca de oitenta pilares de pedras-lipes, com quatro toneladas cada um, foram erguidos em dois círculos concêntricos nunca concluídos. As pedras são originárias das montanhas de Preseli, no País de Gales, situadas a 385km do sítio arqueológico, e foram transportadas por via marítima, fluvial e terrestre. Também é desse período a “avenida” que conduz ao fosso circular. O duplo arco de pedras-lipes foi demolido no período seguinte.
A fase denominada Stonehenge III transcorreu entre 2000 a. C., quando se ergueram os maiores monólitos do conjunto, que ainda podem ser vistos. Procedem da localidade de Marlborough Downs, trinta quilômetros ao norte do local. O transporte e a disposição dos monólitos foram proezas bastante consideráveis para a época. Trinta blocos de arenito de cinquenta toneladas foram dispostos em forma de circulo rematado por pedras menores. Dentro desse circulo ergueu-se uma construção em forma de ferradura com cinco trílitos, cada um dos quais consistia de um par de grandes pedras verticalmente colocadas, encimadas por um dintel de pedra.
A hipótese de que o complexo tenha sido erguido como templo druida ou romano está descartada, já que esses povos só muito depois da construção chegaram àquela área. No início da século XX, o astônomo britânico Norman Lockyer demonstrou que o eixo do grande circulo se alinhava com o nascer do sol solstício de verão. Isso levou os estudiosos a acreditar que o Stonehenge teria servido ao culto ao Sol. Em 1963, o astrônomo americano Gerald Hawkins sugeriu que os monólitos formariam um complicado computador para prever eclipses lunares e solares.

Entretanto, astrônomos, arqueólogos e outros especialistas nunca chegaram a um consenso. A maioria concorda em que Stonehenge servia a algum tipo de culto religioso. Muitos, contudo, acreditam que ele pode ter sido apenas um sofisticada observatório astronômico.




Maique Borges


Avatar
Maique de Souza Borges, é um teólogo autodidata, estudante e amante da música sacra. Com o intuito de proclamar as Boas Novas, e convidar os brasileiros para voltarem à centralidade da Palavra de Deus, criou o blog Cooperadores do Evangelho. É casado com Poliana Borges e é o pai do Miguel.