Todo mês de dezembro, é possível acompanhar em diversos locais do mundo, o Exército da Salvação trabalhando com os seus sinos na frente das grandes lojas arrecadando dinheiro a fim de fornecer sopas e cobertores para os pobres da cidade. Esta obra começou 100 anos atrás pelas mãos de William e Catherine Booth. Eles fundaram o Exército da Salvação ao perceber que as igrejas locais não davam a atenção necessária aos pobres e desabrigados da comunidade, mas acabaram indo bem mais longe, levando assistência a várias nações da terra. Sobre este trabalho, a própria Catherine testificou: “ Nós fomos feitos para grandes coisas. Portanto vamos cumprir nosso glorioso destino”.

Ela nasceu no dia 17 de janeiro de 1829, em Ashbourne, no condado do Derbyshire, Inglaterra, na família formada por John Mumford e Sarah Milward, que tiveram outros quatro filhos. Recebeu o nome Catherine Mumford.  O seu pai era um modesto construtor de carroças e a sua mãe uma cristã muito devota. A sua família mudou-se, sendo ela ainda muito pequena, para Boston, Lincolnshire, e mais tarde para Brixton, Londres. Desde tenra idade, Catherine mostrou-se como uma menina séria, religiosa e sensível. Teve uma rigorosa educação cristã, sendo que aos 5 anos já lia em voz alta a Bíblia para a sua mãe e antes de completar o 12º aniversário  já a tinha lido toda a escritura por oito vezes. Aos 14 anos, uma enfermidade na coluna a fez deixar sua escola e passar muitos meses prostrados. Mesmo estudando de forma independente,  foi uma brilhante aluna, a quem a sua enfermidade não impediu de estudar teologia, história, geografia, e filosofia.

Mais tarde as suas inquietações religiosas levaram-na a experimentar um renascer espiritual, e filiou-se numa Igreja Metodista. As suas inquietações sociais fizeram-na comprometer-se também com a “Band of Hope”, uma sociedade de temperança para meninos e adolescentes da classe operária fundada em 1847, em os membros faziam votos de abstinência total (alcoólica) e faziam também propaganda contra as bebidas alcoólicas. Por esse tempo Catherine também foi ativista do “Temperance Movement”, escrevendo cartas sobre este problema a numerosos jornais e autoridades.

Para aprender técnicas de pregação, Catherine participou do Novo Círculo Metodista. Em 1852, assistiu entusiamada ao sermão de um jovem pregador chamado William Booth, cuja “mensagem era muito dura para a congregação ignorar e seu jeito era muito carismático para ele esquecer”. Imediatamente,  simpatizaram-se um com o outro, tornando-se grandes amigos. Depois de três anos de amizade, nos quais Catherine apoiou o trabalho de pregador itinerante de William, contraíram matrimónio em 16 de junho de 1855, na Igreja Congregacional de Stockwell Green, no sul de Londres. Esta união geraria uma numerosa família, toda ela dedicada, desde a infância, ao trabalho evangelístico: William Bramwell Booth (1856), Ballington Booth (1857), Catherine ou Kate Booth (1858), Emma Booth (1860), Herbert Booth (1862), Enjoe Booth (1864), Evangeline (1865) e Lucy (1868).

Logo após o casamento foram para Londres, onde se ajuntaram  com outros voluntários e começaram a dar assistência aos pobres da cidade. Catherine logo percebeu a grandeza da obra em que estavam envolvidos. Eles saiam pelas ruas convidando a todos para seus cultos nas tendas armadas, ainda que muitas vezes, William chegava em casa todo molhado de bebida e ovos podres que eram jogados nele durante as cruzadas.

Catherine se mostrou ainda mais ativa no trabalho da igreja enquanto William era pastor em Brighouse. Ela sentiu uma chamada irresistível para convidar as pessoas comuns à Igreja, iniciou para isso um ativo ministério de visitação casa a casa, especialmente entre as famílias com problemas de alcoolismo. Também participou ativamente em reuniões para crianças e adolescentes. Contudo, ela era muito tímida para falar ao público adulto, além disso, naquela época, era muito incomum que uma mulher tivesse oportunidade de falar em serviços religiosos. Entretanto, Catherine estava convencida de que as mulheres cristãs não só tinham o direito de pregar, mas também tinham essa obrigação. Quando chegou às suas mãos um periódico com um artigo em que se argumentava contra o direito das mulheres utilizarem o púlpito, ela decidiu-se a publicar o “Female Ministry: Or, Woman”s Right to Preach the Gospel” (Ministério Feminino: ou O direito das mulheres a pregar o Evangelho) em 1859, um artigo que foi publicado no mesmo periódico como uma separata.

William e Catherine decidiram começar um trabalho diferente do pastorado de uma igreja ao iniciarem a sua Missão Cristã em 1865. William pregava aos pobres e deserdados e Catherine (em certo sentido) aos ricos, ganhando a sua ajuda para financiar esta tamanha iniciativa, foi por isso que ela começou a levar a cabo as suas próprias campanhas de coletas de recursos e de voluntariado. Quando este trabalho diferente tomou o nome de “Exército de Salvação” em 1878, e William Booth começou a ser conhecido como “O General”, Catherine passou definitivamente para segundo plano, sendo reconhecida como “Mother of the Army”, e ela certamente estava por detrás de muitas das mudanças da nova organização. Como esposa de William Booth, Catarina contribuiu fortemente com muitas das suas ideias para as crenças e regulamentos do Exército de Salvação. Foi a “designer” da bandeira e do famoso poke bonnet (chapéu de senhora com pala, sobretudo os usados pelas senhoras no Exército de Salvação). Quase todos os seus oito filhos trabalhavam com eles na missão e em pouco tempo eles já estavam indo aos EUA para estabelecer o mesmo trabalho no novo mundo.

Quando tinha 59 anos, Catarina foi informada que ela estava sofrendo de cancer, que só tinha mais dois anos para viver. Ela pregou o seu último sermão em 21 de junho de 1888, e então retirou-se para a sua casa em Hadley Wood, próximo a Londres, onde, apesar das dores excessivas, ela continuou a discutir os negócios do Exército da Salvação e a encorajar as suas muitas visitas. Catherine Booth morreu aos 61 anos de idade em Clacton-on-Sea, Essex, em 4 de outubro de 1890. Faleceu nos braços de William e rodeada pelos seus filhos e família. Ela está enterrada junto ao seu marido no Cemitério do Abney Park, Londres

Hoje o Exército da Salvação atende pessoas em 94 países, sendo o glorioso legado de p uma mulher que mesmo muito doente, tendo recebido uma educação caseira e com oito filhos para cuidar, deixou sua marca na história da humanidade.  Por causa de sua influência na formação do Exército de Salvação ela é reconhecida até hoje como a “Mãe do Exército. ”