• Ore antes de iniciar a leitura

Você pode entender melhor a Bíblia por pedir ajuda ao seu Autor, como fez o salmista: “Desvenda os meus olhos, para que eu olhe para as coisas maravilhosas procedentes da tua lei.” (Salmo 119:18) Ore a Deus toda vez que ler as Escrituras, pedindo ajuda para entender Sua Palavra. Você também pode agradecer pela Bíblia, pois sem ela não poderíamos conhecer a Deus. — Salmo 119:62.

  • Entenda que a Bíblia é um livro estranho

Por não ter sido escrita em nossa língua e na nossa época, a Bíblia se torna um livro “estranho” para a gente, de difícil compreensão. Devemos fazer um esforço para considerar o contexto histórico, social e geográfico em que a Bíblia foi escrita. Não vamos conseguir adaptar ou traduzir tudo perfeitamente, porque o mundo bíblico fica distante do nosso, em vários sentidos. Mas devemos tentar ser o mais fiéis possíveis. 
O Espírito Santo nos revela o texto, e é indispensável de nossa parte aplicar um esforço mental para refletir e pensar a respeito do texto.


  • Nem tudo na Bíblia é escrito do mesmo jeito. Ainda bem!

Precisamos levar em conta os diferentes gêneros literários, e eles devem influenciar nossa interpretação da Bíblia. Um gênero literário é uma forma fixa de falar ou escrever. Quando o texto começa com “Era uma vez…” sabemos o que esperar dele. Da mesma forma podemos perceber quando lemos ou ouvimos uma piada, por exemplo. 

Na Bíblia encontramos narrativas, leis, poesias que trazem beleza para o texto bíblico, profecias que falavam para a época dos profetas ou para nós, parábolas que devem ser respeitadas por sua simplicidade e cartas que devem ser estudadas em seu contexto.

  • Observe o texto em sua completude

Interpretar é entender palavras, frases e parágrafos. Com o passar do tempo, foram inventando formas de dividir a Bíblia – em capítulos e versículos. Isso facilita nossa organização. Entretanto, devemos observar o texto em sua completude!

  • Compare diferentes traduções da Bíblia

Uma dica prática para entender textos difíceis da Bíblia é comparar diferentes traduções. Essa prática pode ser ainda mais útil do que procurar os termos difíceis em dicionários.

  • Não faça o texto dizer o que não diz

Muitas vezes já falamos o significado de um texto, antes de saber o que está escrito de verdade. Mas o que Deus quer nos dizer é exatamente o que está escrito! Não se esqueça que as palavras podem ter significados diferentes quando estão em contextos diferentes, por exemplo.

  • Ao estudar a Bíblia, olhe o todo

O todo não é só a soma das partes. Há uma grande diferença entre 11 jogadores e um time de futebol, por exemplo. 
Do mesmo jeito, há diferença entre 11 palavras e um texto. Há uma mania muito comum entre cristãos chamada “versiculite”. As pessoas tendem a estudar a Bíblia versículo por versículo, muitas vezes isolando do que vem antes e depois. Entretanto, entender o todo é primordial para uma interpretação correta.


  • Considere a linguagem figurada da Bíblia

Nem tudo na Bíblia é escrito ao pé da letra. Há muitas metáforas como “vocês são o sal”. Isso não significa que nós estamos dentro de um saleiro! Devemos fazer o exercício de descobrir o que significa essa condição de sal e as outras metáforas da Bíblia.

  • Leia a bíblia de trás para frente

Comece a leitura da Bíblia pelo Novo Testamento. Não se pode ler o Antigo Testamento antes de ler o Novo. O Antigo Testamento deve chegar até nós pelo túnel estreito do Novo Testamento. É uma bíblia só, mas a vinda de Cristo transforma todas as coisas e Ele deve ser nossa base para a interpretação de toda a Bíblia.


  • Aplique o texto bíblico à sua vida.


Muitas pessoas começam a ler a Bíblia com a preocupação: “O que vou retirar desse texto? Como vou ensinar com base nisso? O que vou pregar?”. Mas a dica aqui é: estude o texto, medite nele, e as aplicações vão começar a surgir. Aplicar é contextualizar, trazer o mundo da bíblia por uma ponte até o mundo de hoje.

Esperamos de todo o coração que você tenha gostado e aproveitado as ferramentas de estudo das Escrituras.