Texto Áureo
“Sê exaltado, ó Deus, sobre os céus;seja a tua glória sobre toda a terra.”
(Sl 57.5)
Verdade Prática
Adoremos e louvemos a Deus, pois asua glória enche os Céus e a Terra.

LEITURA DIÁRIA
Segunda – Êx 29.43-45
A glória do Senhor santifica
Terça – Lv 16.2
O poder da glória de Deus
Quarta – 2 Cr 5.13
A manifestação da glória doSenhor
Quinta – 2 Cr 7.2
Quando a presença do Senhorencheu o Templo
Sexta – Is 6.3,4
A glória do Senhor manifesta-sepela adoração
Sábado – Ag 2.7-9
Deus manifesta-se a Israel
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Êxodo 40.34-38; Números 9.15,16
Êxodo 40
34 - Então, a nuvem cobriu a tendada congregação, e a glória do Senhorencheu o tabernáculo,
35 - de maneira que Moisés não podiaentrar na tenda da congregação, porquantoa nuvem ficava sobre ela, e aglória do Senhor enchia o tabernáculo.
36 - Quando, pois, a nuvem se levantavade sobre o tabernáculo, então, osfilhos de Israel caminhavam em todasas suas jornadas.
37 - Se a nuvem, porém, não se levantava,não caminhavam até ao dia emque ela se levantava;
38 - porquanto a nuvem do Senhorestava de dia sobre o tabernáculo, e ofogo estava de noite sobre ele, peranteos olhos de toda a casa de Israel, emtodas as suas jornadas.
Números 9
15 - E, no dia de levantar o tabernáculo,a nuvem cobriu o tabernáculosobre a tenda do Testemunho; e, àtarde, estava sobre o tabernáculocomo uma aparência de fogo até àmanhã.
16 - Assim era de contínuo: a nuvemo cobria, e, de noite, havia aparênciade fogo.

HINOS SUGERIDOS: 404, 457, 514 da Harpa Cristã





OBJETIVO GERAL
Revelar como a nuvem de glória estava sobre o povo de Deus.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cadatópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
Apresentar a Coluna de Nuvem;
Explicar a Shekinahque esteve presente nas peregrinações de Israel;
Destacar algumas lições para hoje.
INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Na lição passada vimos o Senhor Jesus como o Sumo Sacerdote Perfeito. Porintermédio dEle tivemos acesso à presença de Deus. Nesta lição, estudaremos arespeito da experiência de Israel com a glória de Deus. Nesse sentido, veremosque havia uma Nuvem de Glória sobre a nação que, como uma espécie de selode propriedade, dava ao povo judeu a marca de pertença do Senhor. Hoje,temos o Espírito Santo, que uma vez foi derramado “sobre toda a carne” emAtos dos Apóstolos, sendo assim, o selo que confirma-nos como propriedadeexclusiva de Deus. Assim, vivamos e desfrutemos da glória do Pai Celestial.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Êxodo 40 e Números 9 registramo cuidado de Deus com Israel. Na caminhadano deserto rumo à terraprometida, uma nuvem permaneciasobre o Tabernáculo.A imagem dessa nuvemmarcou a história de Israel,pois ela cobria a “Tendada Congregação”, enchia oTemplo, enfim, um símbolovivo de que Deus estava entreo seu povo. Anelemos por essamaravilhosa presença!

I – A COLUNA DE NUVEM: A GLÓRIADIVINA SOBRE ISRAEL (Êx 40.34)
1. Quando “a nuvem cobriu a tendada congregação”.
A nuvem apareciadurante o dia sobre o Tabernáculo. Eraa shekinahde Deus sobre o Santuário.Embora o termo não se encontre no textooriginal do Antigo Testamento, shekinahé uma palavra adotada pela tradiçãojudaica. Os sábios judeus evitavam apalavra kaboth(ou kabod), que significa“glória”, por causa de sua sacralidade (cf.1 Sm 4.21). Assim, shekinah, segundo osentido aramaico, descreve a manifestaçãovisível da glória de Deus.
2. A glória de sua Presença.
A ideiaque o povo de Israel tinha de Deus era ade que Ele morava no Santuário. Assim,a nuvem sobre o Tabernáculo revelavaque o Altíssimo encontrava-se de modoespecial no Santuário. Outrora, amesma nuvem acompanhavaIsrael desde Sucote (Êx13.20-22); agora, ela seencontrava sobre o Tabernáculo.Essa nuvem é o sinalgrandioso da presença doTodo-Poderoso. O Deus deIsrael era o centro do culto eda adoração do seu povo. E do seucoração? Ele é Senhor?
3. “Glória” no hebraico e no aramaico.
A palavra “glória” é uma das maisricas e diversas no contexto linguísticodo Antigo Testamento. São encontradospelo menos oito termos para designá-la,tanto no aramaico quanto no hebraico(Sl 113.3; Dn 2.37; 1 Cr 29.11). Quandose refere a Deus, a palavra “glória”designa o esplendor e a majestade doTodo-Poderoso entre o seu povo.A grande lição a ser apreendia,aqui, é que a aprovação divina quantoao nosso ministério é necessária e imprescindível.No estudo da nuvem deglória, percebemos claramente que Deusdeseja operar no meio do seu povo. Eleainda confirma e promove a sua Obra!

SÍNTESE DO TÓPICO I
A Nuvem de Glória cobria toda aTenda da Congregação, pois era osímbolo da presença divina.

SUBSÍDIO DIDÁTICO-PEDAGÓGICO
Há muitas pessoas que fazem confusãocom o termo shekinah. Umas usam-nosem a noção de o porquê o termo ganhouessa popularidade; outras têm uma visãoradical de que o termo não deveria serusado porque “ele não existe na Bíblia”.O tópico presente dá uma explicaçãosatisfatória para uma visão equilibrada.Por isso, deixe claro à classe quehá termos na cultura judaica que, porcausa de sua sacralidade, ou perda dosfonemas hebraicos, foram reformulados.Por exemplo, o nome verdadeirode Deus é expresso por Adonai, pelotermo aportuguesado Jeová e outros.No Novo Testamento, a expressão SantíssimaTrindade também não aparece,mas ela retrata com perfeição o que ostextos apostólicos ensinam sobre essamaravilhosa doutrina. Portanto, nãohá nada que proíba o termo shekinah.

II – A SHEKINAH QUE ESTEVEPRESENTE NAS PEREGRINAÇÕES DEISRAEL

1. A glória permanente de Deus.
Havia uma promessa de Deus para a descendência de Abraão: tomar posseda terra de Canaã. Para cumpriresse objetivo, a presença de Deuspermaneceu com Israel desde a saídado Egito até à entrada na terra prometida(Êx 13.20-22). Ele cumpriusua promessa e guiou Israel pelomeio do Mar Vermelho, derrotandoFaraó e seus cavaleiros. Ali, a nuvemdo Senhor trouxe trevas e embaraçosaos perseguidores egípcios.A nuvem conduzia Israel nas suasperegrinações, conforme o apóstoloPaulo menciona em uma de suas cartas:“Ora, irmãos, não quero que ignoreis quenossos pais estiveram todos debaixo danuvem; e todos passaram pelo mar, etodos foram batizados em Moisés, nanuvem e no mar” (1 Co 10.1,2).
2. A nuvem de Deus nos montes edesertos.
Moisés subiu ao Monte Sinaie entrou no meio da nuvem e, ali, ficoupor 40 dias e 40 noites (Êx 24.15-18).Deus falaria com ele da nuvem, d eonde o legislador de Israel receberiaas tábuas dos Dez Mandamentos ea revelação quanto à construção doTabernáculo (Êx 24.15-18 cf. caps 25– 27; 34.1-9).Enquanto o povo marchava paraavançar pelo deserto, a nuvem se movia.Em cada jornada, em cada peregrinação,o Senhor era com o seu povo. Não sedesespere, pois o Espírito Santo conduza sua Igreja! Ele habita em você!
3. A nuvem se manifestou sobre opropiciatório.
A Palavra de Deus revelaque o propiciatório, que ficava sobre aarca da aliança, era o maior símbolo desua presença. Ali, Deus se manifestavapor meio da nuvem de sua glória (Lv16.1,2; Nm 7.89). À luz da Santa Palavra,não podemos nos conformar com a friezaespiritual e com a indiferença com aPalavra de Deus. Ora, diferentementedaquela época, hoje podemos entrar no Lugar Santíssimo com plena liberdade noEspírito Santo, pois Este foi derramadode maneira abundante sobre o povo deDeus (At 2.1-13). Não se conforme coma frieza e a indiferença espiritual!

SÍNTESE DO TÓPICO II
A Shekinah era uma glória permanente,revelada sobre o propiciatórioda Arca da Aliança.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
“A aproximação de Israel ao Senhor,o grande Rei, era claramente multissensorial.O povo via a glória no fogoe na nuvem, ouvia Deus no trovão e noterremoto, e cheirava algo da doçura divinana fragrância dos perfumes. O Deusfora da percepção sensorial se revelavametaforicamente de modo que os sereshumanos sensíveis pudessem entender.Êxodo 31 resume a aproximação aoSanto. Há uma lista de todo o aparatofísico necessário para essa aproximação– o Tabernáculo com as mobílias eequipamentos (VV.7-11), a escolha divinade trabalhadores, qualificados porterem sido selecionados pelo Senhor ecapacitados com o próprio Espírito deDeus (vv.1-6)” (ZECK, Roy B. Teologiado Antigo Testamento. Rio de Janeiro:CPAD, 2009, p.67).

III – ALGUMAS LIÇÕES PARA HOJE
1. A nuvem sobre o Tabernáculonão era comum.
Deus usa coisas visíveispara ensinar verdades espirituais.Aquela nuvem era especial, pois nãoobedecia às leis da natureza criadaspor Ele próprio. Tinha característicasde uma nuvem comum, mas não eraalgo comum. Ele usou a imagem deelementos físicos para manifestar asua glória. Não perca a sensibilidadeespiritual. Perceba como Deus podee quer falar, agora, com você. Ele usacoisas comuns para manifestar a suaglória!
2. A nuvem permaneceu sobre oTabernáculo.
O Altíssimo estava presentede forma especial no Tabernáculo.Veja o que o texto diz: “a glória do Senhorencheu o tabernáculo” (Êx 40.34).Aquele que é onipresente não precisade espaço físico, porque Ele preenchetodo o Universo. Não há limites geográficospara Deus. Entretanto, para serelacionar conosco Ele se manifestounum Tabernáculo, revela-se na Igrejalocal e mostra-se em nossa casa e,por intermédio do seu Santo Espírito,habita em nós.
3. A nuvem não é estática.
Deusnão é inerte, estático; Ele é o Ser quegera vida em abundância (Jo 10.10).Ele se move sobre a Terra, cuida doUniverso e interessa-se por sua vida,querido irmão. Ele é um Deus pessoal.Não perca a glória de Deus nem a intimidadecom a sua presença. Ande comDeus. Obedeça-lhe a vontade.Deus não é inerte, estático;Ele é o Ser que gera vida em abundância(Jo 10.10). [...] Não perca a glóriade Deus nem a intimidade com a suapresença.

SÍNTESE DO TÓPICO III
A Nuvem de Glória não era comumnem estática.

SUBSÍDIO DE VIDA CRISTÃ
“Em Êxtase DivinoSabemos que alguns olham comdesdém as manifestações de poder eque outros consideram com suspeitaas visões e revelações. Mas como podealguém que realmente crê na Bíbliaduvidar da autenticidade daquilo quetraz plenamente as marcas do Ser divinoe é o cumprimento das profecias epromessas de sua Palavra? “Fiquei, pois,eu só e vi esta grande visão, e não ficouforça em mim; [...] e emudeci. E eis queuma como semelhança dos filhos doshomens me tocou os lábios; então, abria minha boca, e falei” (Dn 10.8,15,16).Referindo-se à vinda do Consolador,Cristo diz àquele que o ama: ‘Aquele quetem os meus mandamentos e os guarda,este é o que me ama; e aquele que me amaserá amado de meu Pai, e eu o amarei eme manifestarei a ele’ (Jo 14.21).Em Jope, o Pedro batizado com oEspírito Santo entrou em êxtase divino,no qual teve a visão e ouviu a voz queeliminou o seu exclusivismo judaico eo enviou a Cesareia (At 10.9-20).Em 2 Coríntios 12.1, Paulo declara:‘Passarei às visões e revelações doSenhor’. Também aprendemos que nosúltimos dias, quando o Espírito começara ser derramado sobre toda carne, eles‘profetizarão’ e ‘terão visões’ (At 2.17).Se você rejeita a realidade vigentenestes dias, o que fará com os fatosregistrados nas Escrituras? Jogará foraa Bíblia por não crer nessas poderosase maravilhosas obras do Espírito realizadasna atualidade?” (SEYMOUR.Devocional: O Avivamento da RuaAzusa. Série: Clássicos do MovimentoPentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2003,pp.152-53).

CONCLUSÃO
A glória de Deus transcende aqualquer coisa que o ser humano venhaa produzir. A glória do Senhor estevecom Israel, no Antigo Testamento, coma Igreja Primitiva, em Atos, e tambémestá em nossa vida. Experimente apresença de Deus. Jesus ainda salva,batiza com o Espírito Santo, cura osenfermos e opera sinais e maravilhas!

PARA REFLETIR
A respeito da lição “A Nuvem de Glória”, responda:
• Quais livros e capítulos registram o cuidado de Deus com Israel?
Êxodo 40 e Números 9 registram o cuidado de Deus com Israel.
• O que a nuvem sobre o Tabernáculo revelava?
A nuvem sobre o Tabernáculo revelava que o Altíssimo encontrava-se demodo especial no Santuário.
• O que a nuvem do Senhor trouxe aos perseguidores egípcios?
A nuvem do Senhor trouxe trevas e embaraços aos perseguidores egípcios.
• Deus usa coisas visíveis para quê?
Deus usa coisas visíveis para ensinar verdades espirituais.
• O que a glória de Deus transcende?
A glória de Deus transcende a qualquer coisa que o ser humano venha a produzir.

Lições do 2º trimestre de 2019 – Elienai Cabral

Elienai Cabral


Avatar Elienai Cabral é Pastor, conferencista, teólogo, membro da Casa de Letras Emílio Conde, comentarista de Lições Bíblicas da CPAD e membro do Conselho Administrativo da CPAD. Autor dos livros “Comentário Bíblico de Efésios”, “Mordomia Cristã”, “A Defesa do Apostolado de Paulo – Estudo na Segunda Carta aos Coríntios”, “Comentário Bíblico de Romanos”, “A Síndrome do Canto do Galo”, “Josué – Um líder que fez diferença”, “Parábolas de Jesus” e “O Pregador Eficaz”.

PUBLICIDADE E COMENTÁRIOS


0 Comentários